sábado, 31 de janeiro de 2009

JOSÉ ROBERTO PEREIRA, VOCÊ TAMBÉM ESTAVA LÁ!!!







OFICINA DE ROTEIRO DE HISTÓRIA EM QUADRINHOS. Professor: Klebs Jr.

Nem lembro, se desse pessoal todo que estava lá, você conseguiu manter contato com alguém, eu sei que eu perdi contato com todo mundo.
Mas sei que, TIRANDO NOSSO PRÓPRIO PROFESSOR e VOCÊ, NENHUM DOS ALUNOS fez trabalhos de hqs profissionais!
Zé, numa das aulas você fez esse desenhinho me representando... que miiiiiimo!


Olha que bonitinho, esse desenho eu fiz um ano depois do curso. Era da personagem de uma menina do curso, uma menina negra que eu fiquei meio afim na época, só que ela morava lá atrás da represa Guarapiranga, não tinha como o negócio ir pra frente! Curti a proposta dela, uma personagem funcionária de presídio, cujo namorado morre, pena que não fiz parceria com ela... sei lá o que podia ter rendido!

Cara, eu me lembro da cara de tacho do nosso professor e do convidado dele, Octavio Cariello, quando ele estava comentando sobre o roteiro do álbum do Juba e Lula, escrito pelo Régis Moreira (irmão do Roger Moreira, músico-líder do Ultraje a Rigor), e eu, na minha inocência bocuda, disse com todas as letras que aquela história estava uma DROGA, e parecia que eu tinha xingado a mãe deles. Só faltaram me mandar calar a boca!






Alguns anos depois, acho que foi em 1997, eu fui numa aula-palestra lá do curso de quadrinhos do Cariello, e tive minhas duas horas de Zé Roberto Pereira: TODO MUNDO ME MANDAVA FICAR NA MINHA E CALAR A BOCA (ou parar de tumultuar!). Impressionante! O que a convivência não faz com a gente... ou, no mínimo, NINGUÉM GOSTA DE PESSOAS COM OPINIÕES PRÓPRIAS BASEADAS EM PENSAMENTOS CRÍTICOS RACIONAIS, quiçá lógicos e por que não dizer, RAZOÁVEIS a qualquer SER HUMANO fora do círculo da seita nerdística!


ROGÉRIO KIVITZ E DOUTOR WHEN, SEI QUE VOCÊS ESTÃO ME LENDO!!!! Se me disserem que O CÍRCULO DE APRECIADORES DE FICÇÃO CIENTÍFICA E CIÊNCIA EM GERAL não desenvolvem características de SEITA RELIGIOSA COM REGRAS NERDS, vou amarrá-los em cadeiras de tortura “Laranja Mecânica” e passar maratona da 1ª temporada completa de BIG BANG A TEORIA, seguida pela segunda baixada em RMVB não convertida (telinha de micro!!!) e episódios 2:12 e 2:13 SEM LEGENDAS, ÁUDIO ORIGINAL EM INGLÊS!!!
A coca e a cerva ficam por minha conta. O traje-padrão, urinol de astronauta. Fornecimento de pipoca será considerado, se vocês conseguirem fazer aquele braço mecânico do laboratório do Doutor alimentá-los, bem como melhorar o sistema de desintegração química de sólidos do traje.

Médico!!!! Precisamos de um médico!!!!


Idiotas!!! Preciso de um doutor em MEDICINA, não um doutor em CRONOCINESE !!!


Ei, galinhariano, como é que está Oba Oba, sua patroa?
Dá pra me arrumar aquela carona no R.E.T.A.R.D.O. até o ano de 1985 ? Preciso testar aquela teoria do paradoxo na qual, se eu entregar pro meu eu do passado um monte de documentos registrando meus passos até meu presente, NEM ASSIM o infeliz vai conseguir sair da trilha pré-determinada no tempo...

DOUTOR WHEN© não é baseado em nenhum delírio saído da imaginação de Fernando Aoki... o “bom” Doutor é ele mesmo, e acabou!


Estamos tentando convencê-lo a deixar-nos ler os relatos de sua calamitosa estadia no planeta Terra, desde o ano de 1984 até agora... Infelizmente toda vez que abordo este meu recluso amigo alien, ele está totalmente ocupado com os ajustes de seu equipamento de viagens temporais, e, em sua costumeira cortesia, responde à minha insistente oferta com aquele gesto altamente inequívoco do dedo médio.

De fato, por aí se vê que sou inequivocadamente considerado amigo pelo Doutor. Os membros do esquadrão Dolbuck, aquele trio de japas atrapalhado, normalmente saem correndo do laboratório com aquela famosa microserra laser (equipamento padrão de técnicos galinharianos) voando por sobre suas cabeças... além dos incidentes de desafetos atingidos pelas cápsulas de gás broxante (seis meses de efeito, no mínimo...)

... E José Roberto Pereira precisa realmente trocar os óculos!






Tudo bem que eu estava elaborando o laboratório secreto de um cientista louco SEM GRANA enfurnado no Centrão Decadente da São Paulo de 1989, mas custava eu ter pego referências melhores de geradores e computadores de fita?



Porra, mas nem pra aprender a desenhar botão de painel COM ESPARADRAPO improvisando etiquetas adesivas QUE PAREÇA COM ESPARADRAPO COLADO!?@#*&£¢
Criatividade de roteirista em pegar os detalhes para dar verossimilhança, DEZ. Capacidade de expressar decentemente no desenho: ZERO!!!


O que é preferível? Ficar eternamente reinventando a roda ignorando as referências, ou chupinhar descaradamente pra cumprir prazo?



Henrique Taiyo - ESSE MANJAVA de fazer cenário convincente, e tinha uma capacidade de expressão inventiva DUCA. Eu sei que ele é bom porque fui EU MESMO quem pediu essa cópia do desenho de cenário para treinar artefinalização!



Jesus!... E BK disse pra todo mundo que eu desenhava bem nessa época!!! Pronto, nada como esse negócio de postar velharia na internet para desmistificar certas incongruências do passado!


SENTAMOS O SARRAFO no Emir Ribeiro por causa de flagrantes de poses descaradamente chupadas... mas será que o resultado final não ficaria melhor do que neguinho que NÃO SABE DESENHAR E FICA REINVENTANDO A RODA A CADA DIFICULDADE? O público em geral NÃO QUER SABER se esta ou aquela pose foi chupada descaradamente do gibi do gringo de VINTE E CINCO ANOS ATRÁS!!! Só a porra do NÉRDIO se liga nisso!!!!


Caemoor, a supernave de combate que o Alma de Aço teria de enfrentar em sua saga
Putaquipariu Aoki! Que raça de alienígenas iria fazer uma nave com essa cara? Só nos gibis do Tony Fernandes mesmo...



O que é preferível? Tentar exercer sua criatividade quando seu ferramental técnico não dá conta do recado e mal e mal arranha a superfície (e te consome um tempo DUCARALHO!!!), ou obter resultados rápidos com o clássico método Desenhando com o lado direito do cérebro?!?


A bola está com vocês!!! VAMOS BOTAR ESSA POLÊMICA PRA FERVER!!!! BK SARRAFEIA OS CHUPINHADORES DESCARADOS PORÉM COMPETENTES, EU CHUTO O SACO DOS CRIADORES AMISH XIITAS HEBEFRÊNICOS QUE SÓ QUEREM SABER DE REINVENTAR A RODA AO INVÉS DE APRENDEREM A DESENHAR DIREITO COPIANDO E TREINANDO!!!

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Só não fui expulso da Poli porque já tinha saído e me mudado pra FAU...

UM DESEJO SÓ JÁ BASTA - 2ª e última parte


estrelando Turbo e Cânhamo, mais sacos de pancada de apoio...

Glossário: Poli = Escola Politécnica da Universidade de São Paulo
Fau = Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, e no caso, FAU-USP




Nada como pegar algumas manhas. Três anos depois, nem mais no curso da Poli eu estava, tinha me mudado de mala e cuia pra arquitetura (pelo menos, diploma disso eu levei). Dei aquela "travadinha" básica, mas achei que os leitores mereciam ler o final daquela história. Acho que os visitantes do blog concordam...



LEIAM, RIAM E DIVIRTAM-SE!!! comentários divertidos são bem vindos!!! Ajude o Aoki a manter seu bom humor...

E os jornaizinhos universitários da POLI jamais foram os mesmos...

UM DESEJO SÓ JÁ BASTA


Estrelando Turbo e Cânhamo - Publicado no jornal do Centro Acadêmico do Curso de Engenharia Civil da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo - CÊ-VIU, 1986







Veja aqui o final

Nada como ser amigo do rei, no caso, o Mauro, editor do jornal do Grêmio

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

...e Sérgio Peixoto vendeu uma historinha para Gilberto Firmino...



...Uma idéia que ele teve para uma história de cinco páginas, em que na época eu estava fascinado com uma possibilidade para incremento visual de histórias em quadrinhos, como é feita no japão: a bendita da RETÍCULA.


Como usar retícula como era feito nas HQs e trabalhos artísticos a traço Preto-&-Branco profissionalmente era inviável do ponto de vista de custo, aquelas películas auto-adesivas recortáveis eram bastante caras. Aí tive a brilhante (porém absurdamente trabalhosa) idéia de xerocar as retículas, e transportar os desenhos usando uma mesa de luz sobre o reticulado xerocado, e artefinalizar em cima...


Fodia os olhos, dava enjôo e confusão mental, mas, porra, considerando a época em que foi feito (1989 ou 1990, me parece) e o jeito como seria impresso, fico muuito legal! E ainda, de quebra, mascarava bem os erros de desenho!!!

Tão legal que o Gilberto Firmino publicou na revista Porrada! nº 4, um que tem uma mulher olhando seu próprio reflexo na capa, desenhada pelo Milo Manara (cadê meu exemplar?)

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

A verdade está pra fora.... ponha essa vergonha pra dentro da calça, menino!!!!

Senhores espectadores e comentaristas, trocando tiros no blog de nosso lúcido e alucinado JRP durante uma discussão sobre um hoax acerca da mansão do Edir Macedo, cometi duas observações que definitivamente merecem estar aqui num post próprio, para fomentar discussões mais pertinentes ao tema:



Por que o ser humano precisa de uma religião?



Desmond Morris, antropólogo, especulou em seu famoso livro “O Macaco Nu” que a necessidade de crermos numa entidade de liderança, transcendental, e acima da existência humana provém de uma EVOLUÇÃO da organização social primata, baseada na existência do MACHO ALFA líder do agrupamento familiar. Em linhas gerais, ele desenvolve a tese de que, ao precisarmos melhorar nosso sistema de alimentação expandindo da mera coleta de frutos e folhagem (gorilas e chimpanzés fazem isso até hoje) para a CAÇA DE ANIMAIS, nossa organização coletiva tendeu a aprimorar os sistemas de colaboração entre os membros.

E cá entre nós, dá pra ter colaboração com um filho de uma puta sendo o macho alfa, o reizinho, o DEUS do bando? MUUUUITO DIFÍCIL!!!! Obviamente tinha espertinhos e oportunistas, que fingiam cooperar pra não levar na bordoada, mas nem todo macho do bando tinha sangue de barata…

É incrível como essa alteração de paradigma entre a espécie proto-humana teria fluído de maneira intuitiva*, sem teorização, só prática mesmo: a figura do Macho Alfa líder inconteste do grupo foi sendo reformulada… o líder do grupo de caça passava a ser visto como outro membro da coletividade, ainda com “estrelas na lapela”, claro… Mas a projeção coletiva forjada no inconsciente animal que gerava aquela organização social em que TINHA QUE TER E RECONHECER UM BENDITO DE UMA LIDERANÇA SUPREMA, MACHO-ALFA, foi… transferido! Deslocado da pessoa “proto-humana” para alguém, uma força superior, fora de controle, fora do grupo, acima do grupo… algo poderoso, de vontade incontrolável, incompreensível, merecedor de temor e respeito: NASCIA O CONCEITO DE DEUS !!!!!


O Afundamento das religiões: o culto ao fuscão preto!!!



Graças à ajuda do JRP, acho que comecei a montar a igreja do Alma de Aço: “sua salvação por meio da crença nos poderes de um ser criado única e exclusivamente pelo casamento entre tecnologia e imaginação humana do vigésimo-sétimo século do calendário cristão, que surge perdido numa terra estranha, longe dos seus, cuja busca pelas suas origens trará a revelação definitiva dos mistérios da vida e da morte, de maneira inequívoca, factível e pormenorizada e racionamente explicada e reduzida a um mero manual de instruções ao alcance de todos!”

Fiés, sigam-me! E conheçam a verdade.

Os infiéis e descrentes podem simplesmente se sentarem e aguardarem a inevitável chegada da verdade na forma de uma alucinação coletiva que tomará todo o globo terrestre como uma concha de vidro, escuro como um óculos de sol, por onde os observadores de qualquer canto do planeta, qualquer país, qualquer montanha ou mar, qualquer um sempre verá, na mesma posição, cinco estrelas desenhadas no formato do cruzeiro do sul da bandeira do Brasil como se fosse um vazado na película…

…e aproveito para comunicar a todos que chacinarei de forma torpe, vil e sanguinolenta qualquer paramédico ou atendente da Samu, ou serviços particulares de saúde, que se aproximar do meu espaço de trabalho ou de minha residência, procurando por mim sem que eu o tenha chamado.

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Comprovado: FERNANDO AOKI é o cara mais sortudo do mundo!!!

Henrique Taiyo atira para matar.
E Fernando Aoki ainda joga tinta em cima!



Zé Mauro Trevisan faz FanART também...
mas de outro autor é a
primeira vez que estou vendo

Eu sou um cara agraciado com uma sorte ABSURDA!


Não é possível um sujeito se enfiar em tanta roubada e não apenas sair ileso como também até com algum lucro! Os fatos:



  1. Simulação - Sérgio Peixoto storyboard, Fernando Aoki arteTenho um chefe bastante exigente, do tipo que me manda refazer os trabalhos até ficar do jeito que ele acha que tem que ser. E me enche o saco quando eu tento resolver o trabalho matado!!! E toca a ter mais refação! E me pega no pé a toda hora pra eu parar de fazer as coisas no automático e usar mais a cabeça antes de sair disparando que nem um doido com esse pique de tentar resolver tudo na louca sem o menor planejamento (mexemos com projetos gráficos e comunicação visual). Cadê a sorte nisso? Simples, além das chicotadas me deixarem esperto, e me fazerem ganhar uma pusta experiência que repercute na qualidade do trabalho, este sujeito com jeito de carrasco já me defendeu meu emprego aqui em mais de uma ocasião, e ainda por cima é o primeiro a defender a coisa da GRANA e do reconhecimento pelo mérito do nosso serviço aqui na empresa. Pasto um pouco, claro, mas porra, isso é ou não é sorte?!


  2. Tive bastante contato com músicos profissionais que batalhavam pelo seu lugar ao sol. Miriam Maria, CD Rosa Fervida em MelEu era arroz de festa dos shows, e de tanto sair com a moçada, acabava conhecendo os amigos dos amigos, os outros músicos, etc. E sempre arranjava convite para ver show na faixa.
    Eu adorava o Orquidário do preto véio. Gosto até hoje, aliás!Calculo por baixo que conheci com certeza, de frequentar a casa e fazer amizade, QUARENTA profissionais entre instrumentistas, vocalistas, compositores, atores profissionais e até produtores musicais. De famoso mesmo, só o Itamar Assumpção, o Tom Zé, e o Hugo Possolo, do grupo "Parlapatões, Patifes e Paspalhões". O ponto: tinha gente de tudo quanto é nível de trabalho musical, os feras, os aspirantes talentosos, e os... hã... "um-dia-chegam-lá-mas-tem-que-comer-muito-arroz-com-feijão". Kléber Albuquerque e seu primeiro CDSabem que de 1989 a 2000, a quantidade de SHOWS que foram autênticas pagações de MICO, que eu fui acompanhando a galera só pra dar aquela força pro amigo que tinha um trabalhinho bem chinfrim COUBE NOS DEDOS DAS MINHAS MÃOS? Rita Ribeiro e seu segundo CDFaçam as contas, senhoras e senhores, pelo menos 1 show a cada três sábados durante 11 anos... Ou eu tenho um MAL GOSTO MUSICAL infernal e sou um puxa-saco impossível (sim, isso não me escapou), ou sou um cara terrivelmente sortudo, ou sofro de memória seletiva que me faz esquecer micos infernais (o que, convenhamos, é IGUALMENTE SORTE!!!), e no final das contas, me sinto duplamente agraciado por ouvir músicas que me ajudaram e me ajudam a enxergar o mundo num estado de bem com a vida, e a querer partilhar este bem com as outras pessoas, amigos ou meramente conhecidos!


  3. Fiz pouquíssima coisa em quadrinhos. No início, cometi alguns episódios do meu personagenzinho, o tema deste blog aqui. Elucubrei muita coisa, fiz pornozinhos, arte-finalizei algumas coisas, participei de fanzines, mas, como vocês leitores daqui já puderam constatar, história pronta que é bom... cadê? só blocos de rascunhos, anotações, pensamentos masturbatórios, etc. E um desenho que tinha que comer muito muito arroz com feijão para ser profissional, e até hoje tem problemas sérios de produtividade (ô preguiça do caramba). Meeeeu como é que eu me formei? Só ficava fazendo isso na faculdade!!!Entretanto, não sei se POR FORÇA da minha gentileza com as pessoas (sou muito suspeito, mas me parece que não sou o único a ter essa opinião), ou mesmo pelo valor de minhas idéias sobre quadrinhos de aventura, SEMPRE TIVE PASSE LIVRE ENTRE AS EDITORAS, E NUNCA NINGUÉM ME NEGOU PORTAS PARA EU PUBLICAR MEUS TROÇOS! Todos esses velhos filhas-da-puta SEMPRE RECLAMAM não ter oportunidades, que ninguém me dá uma chance, a choradeira básica. Eu ia no extremo oposto: SEMPRE me convidavam pra fazer as coisas, em parceria, eu desenhando... até mesmo eu escrevendo. Eu não aceitava pelo simples e singelo fato de não conseguir produzir. Isso pra mim é sorte, apenas faltou a minha participação, para preencher esta oportunidade.


  4. Essa é a mais séria: Frequentei a convivência do José Roberto Pereira como amigo desde 1986, desde a casinha lá rua Japurá. E acompanhei o cara durante anos e anos, frequentávamos o círculo do Peixoto, Nagado, William de Godoy, Reisangue, Orlando, essa turma toda. Naqueles tempos éramos amigos de andar em turma. Tínhamos lá nossas diferenças, e eu tinha uma mentalidade burgueeesa de dar raiva... (até hoje). E produzi algumas coisinhas pro Zé e o pro Peixoto nos tempos dos pornozinhos, não era desenho, era diagramação e letras. Perdi contato com o BK lá na época da publicação da Battle Angel Alita com o Franco de Rosa. Nessa época casei, aí foi natural parar de procurar a turma. E aí veio a internet e passei a acompanhar os rastros do Zé nos newsletters de quadrinhos, até reencontrei com ele "online", e descíamos o sarrafo juntos em idéias medíocres (típico, vinte anos vendo esse pessoal, e é incrível como certas atitudes se perpetuam de geração para geração) de moleques despreparados perpetuando-se no despreparo. Vi o florescer e a queda das Cavernas do BK e do Pasto Coletivo, nessa época só sendo mero leitor, nem acenava pra ele dizendo "oi, estou aqui". No pasto coletivo, posts sobre a vida, a formação do Zé, a convivência com Peixoto, Nagado, as querelas, broncas, os podcasts. E eu vi coisa pra dedéu... acompanhei mesmo. Tá, beleza Aoki, você é puxa e putinha do Zé Roberto... e qual é "The Big Deal"? Qual é a grande sorte na sua relação com o José Roberto Pereira, vulgo Black Knight, BK e JRP?



    Em cerca de DEZ anos de BK na internet, ELE SÓ DISSE ALGUMA COISA SOBRE FERNANDO AOKI DO FINAL DE 2008 PRA CÁ!

    Tudo bem, tudo bem, essa minha sorte acabou. Aguarde BK soltando os podres do Fernandinho!!!! MAS, SOU OU NÃO SOU O CARA MAIS SORTUDO DO MUNDO?

Exemplo de idéia de jerico

Alguém me perguntou o que eu considerava como idéia burra, absurda e ultrapassada, do tipo que solapa os roteiros e histórias em quadrinhos de ação, ficção científica e super-herói, e que tanto critico... opa, na verdade, o Zé Roberto critica, o Quiof acrescenta mais informações e alguns dados reforçando a tese do BK, e eu, como todo bom PSDBista, aplaudo de cima do muro da minha covardia, cuja reputação vinha me precedendo nos últimos tempos.

Essa é uma idéia que considero bastante tosca e despropositada mesmo, sem contar o fator viagem em ácido com cola de sapateiro praticamente seca. Eu a postei no blog do BK, mas quero colher opiniões por conta própria. Peço que leiam e deixem seu comentário:

>>>>>>


Existe uma comunidade de alienígenas infiltrados entre nós. Por terem longevidade absurda comparado aos padrões humanos, depois de um determinado tempo em que não conseguem mais simular envelhecimento, eles vão para um retiro perdido em algum lugar nas montanhas da América Central, onde passam o um longo período de tempo até assumirem nova identidade e retornarem ao convívio com os humanos.



Pelo apego aos hábitos da sua vida humana, nessa comunidade alien era comum encontrar pessoas vestidas de caubói cumprimentando guardinhas de motocicleta europeus dos anos 70, enquanto outros com trajes de construtores civis do século XVII operavam sofisticado maquinário futurístico para completar a reforma de um salão de baile dos anos 60.

Era meio confuso quando saíam mãe, filha, avó e bisavó juntas, e as quatro parecendo irmãs com ligeira diferença de idade. Até mesmo para eles era desconcertante, mesmo sendo o modo de vida que eles teriam em seu próprio mundo natal.


Um belo dia, um cientista nessa comunidade descobre que uma entidade extradimensional com superpoderes e seu séquito estão promovendo uma invasão ao planeta Terra, e leva o problema ao conselho.

O cientista alerta que as consequências da conquista do mundo pelos extradimensionais será ruim não apenas para os membros da comunidade espalhados pelo mundo, como também para todo mundo sem exceção. Mas os líderes optam por permanecerem ocultos, observando antes de tomarem partido ou atitude.



Aflito com a decisão, o cientista comete o pior crime contra as regras da comunidade: usa um misto de tecnologia deles com a terrestre para expandir os potenciais latentes na sua fisiologia alien outrora adaptada para viver confortavelmente em nosso mundo, ganhando ele mesmo superpoderes. Sua esposa e seus amigos o acompanham, também ganhando habilidades sobrehumanas, mas garantindo a todos o exílio e o banimento eterno não apenas da comunidade como também do próprio planeta natal.

Os exilados, sem condições de disfarçar sua aparência alien como antes, serão obrigados a viver em meio aos seres humanos normais, no mundo humano, e SE restar mundo para se viver… Agora, urge eles enfrentarem e derrotarem os invasores extradimensionais, cujos poderes rivalizam com os recém-adquiridos!
<<<<<

domingo, 25 de janeiro de 2009

Isso aqui tem cara de desenho japonês?



Ih, quer dizer que eu fazia mangá e não sabia? Não sabia ou não queria admitir?

Bem que o JRP falou que eu tinha que fazer as pazes com o japão...

Deja vù (agora com fotinho!!!)


Calma! Nunca viram um líder de super-equipe ter que fugir do seu próprio supergrupo após fazer aquela supercagada?

Grande massa inercial o cacete!
É IMOBILISMO mesmo!

















O limite é saber quando parar a elaboração e a elucubração, quando a idéia da história fica boa o suficiente para sentar o sarrafo e virar desenho, ao invés das minhas infinitas regurgitações masturbatórias que fazem encher PÁGINAS E PÁGINAS DE ANOTAÇÕES E NENHUMA PÁGINA DE GIBI NEM SEQUER RASCUNHADA EM FORMA DE ROTEIRINHO, RAFE, CACETE, SÓ ANOTAÇÕES DE POSSIBILIDADES QUE NUNCA SE CONCRETIZAM!!!


Se dependesse de elaborações, eu seria a “Reencarnação do Will Eisner no Brasil”. Mas, cadê gibi, cadê história, MAS NEM PARÓDIA SAI CARALHO!!!!

Desculpa o desabafo! Eu precisava disso.


A Ameaça Suprema: a supersaga do Alma de Aço. Me enchia a imaginação e ficava me pedindo e pentelhando "escreva-me escreva-me" antes de ter bolado as histórias em que o elenco de apoio entrava na vida do latão ! Esse tipo de atitude é bem a minha cara! E nas imagens estão os esboços, storyboards de roteiro meu!

Lanço a dúvida parafraseando Grant Morrison no Asilo Arkham: “Sou gostoso o bastante para ser lido?”